Ambivertido – Rosa De Saron

256
Published on 7 de abril de 2019 by

Oi
Meu prezado amigo
Desneceselfies não dizem algo aqui
À não ser que eu esteja bem
Neste caso, há um porém
Tire um retrato meu
E então, divulgue-me

Não sei
Se é assim, se é pra mim
Se é o fim, o começo
Ou o erro que não se renuncia
Ou enfim a viragem, o prenúncio
O motim, o indício
De alguém a vir

Oi
É tão comum falar de mim mesmo
Que não vejo mais nada além
Nem meus mesmos améns
Tão sedentos de Deus
Solitários em si
E em mim
Um desmirim

Não sei
Se é assim, se é pra mim
Ou se é o fim, o começo
Ou o erro que não se renuncia
E enfim a viragem, o prenúncio
O motim, o indício
De alguém a vir e a sorrir
E permitir-me
Dizer, ipsis verbis:
“Paixões febris
Não aquecem corações frios”
Tão frios

E eu não sei
Eu não sei se é assim, se é pra mim
Ou se é o fim, o começo
Ou se é aqui
Que não se recomeça enfim o “eu sei”
Eu sei?
Eu sei…

Artista