Caco ainda é vaso – Wesley Ielsen

305
https://www.youtube.com/watch?v=9CQG1aRWVjQ
Published on 23 de janeiro de 2020 by

O Senhor disse a Jeremias: Desce agora a casa do Oleiro,
Pois quero contigo falar, porém obedece e desce primeiro.
Mas quando você lá chegar, só fique quieto para me ouvir,
Pois hoje uma experiência mais que gloriosa eu tenho pra ti.
E quando ele lá chegou, logo então parou para observar,
O oleiro que sobre as rodas incansavelmente vai a trabalhar,
De repente o vaso que era feito, nas mãos do oleiro logo se quebrou,
Juntou os pedaços de caco e um novo vaso ele modelou.

Colocou os caquinhos na roda e na mesma hora os remodelou,
Fez de novo um vaso valoroso conforme o jeito que ele desejou.
O que era pra jogar no lixo o oleiro juntou com seu grande amor,
Enfeitou em cada detalhe trazendo de volta o devido valor.
Nesta hora rompe o silencio no mesmo momento do alto bradou,
Jeremias nesta olaria, escute minha voz assim diz o Senhor.

Esse vaso é casa de Israel, como barro está nas minhas mãos
Eu modelo do jeito que eu quero, conforme a minha intenção.
Eu faço, amasso, refaço, trabalho, Eu zelo, modelo, meu vaso como eu quero.
Eu pego o barro então eu faço um novo vaso, e se quebrar de novo eu faço um novo vaso,
Comigo o vaso será sempre protegido, mesmo quebrado sempre estará comigo.
Não me importo se o vaso se quebrou, sou o Oleiro e o refaço com amor,
Independente se o vaso está quebrado,
Pra mim ele ainda é vaso, ninguém toca nos meus cacos.

Assim diz o Senhor para nós, escutem hoje a minha voz
Esta casa é minha olaria, onde Eu trabalho de noite e de dia.
Você é vaso e eu sou o Oleiro, sou Eu quem mando e faço do meu jeito,
Se você hoje então se quebrar, nesta hora eu vou te restaurar.
Você é barro porém eu te amo, e nessa terra de filho te chamo,
Ninguém te toca, te fere, ou te mata, se eu não ordenar, porque eu sou teu dono.

Estou presente agora no recinto, cheguei pra conversar contigo,
Tu és meu vaso, frágil, imperfeito, Estou aqui, Eu sou o teu Oleiro.
Te pego nos braços, remonto seus cacos, te toco diferente, te encho de azeite.
Tu és meu vaso então recebe azeite
Recebe azeite pra curar enfermidade, recebe azeite pra levar libertação,
Recebe azeite e proclame a liberdade, recebe agora essa nova unção.
Quem foi que disse que tu és um desprezado, jogado ao lado como um lixo descartado,
Quem proclamou que você é abandonado, não entendeu ainda que tu és meu vaso.
Não tem problema se quebrado tu estás, pois Eu cheguei aqui foi pra te restaurar,
Só me dá glória, me adora, me exalta, mesmo que esteja quebrado,
Pra mim caco ainda é vaso.
Tu és meu vaso então recebe azeite
Não tem problema se quebrado tu estás, pois Eu cheguei aqui foi pra te restaurar,
Só me dá glória, me adora, me exalta, mesmo que esteja quebrado,
Pra mim caco ainda é vaso.
Pra mim caco ainda é vaso.

Autor